Workshop de Futebol de Salão AMF

01/09/2016

WhatsApp Image 2016-08-31 at 22.59.29

WORKSHOP • Futebol de Salão (AMF)

O evento será durante o 38º Sul-Americano de Futebol de Salão AMF Ministrado por Celso Marques (Treinador da Seleção Brasileira de Futebol de Salão • CFSB)

O QUE TEM NO EVENTO:
• 29/Set » Quinta feira
9h as 12h: Padrões Táticos e Técnicos (Ataques e Defesas) »
13h as 15h: Metodologia de Treino • Formação de Equipe
• 30/Set » Sexta feira
9h as 11h: Bolas Paradas »
11h as 12h: Entrega de Certificados Oficiais

• Participações Especiais de Atletas e Treinadores das Equipes do Sul-Americano

INVESTIMENTO: 
R$120,00 (Antecipado)
R$150,00 (No dia)

LOCAL
Av. Presidente Castelo Branco, 8420 – Vila Mirim Praia Grande – SP

INSCRIÇÕES:
celsoversolato@gmail.com
(11) 97224-5863

38º Campeonato Sul-Americano de Clubes AMF

30/08/2016

Em nome da CFSB Confederação de Futebol de Salão do Brasil, confirmamos a realização do 38º Campeonato Sul-Americano de Clubes AMF, com a participação de 8 equipes: (Argentina 2, Brasil 2.Paraguai 2 e Uruguai 2), a ser realizado na Baixada Santista-SP, de 26/09 a 01/10 do ano corrente.

Quase 40 anos de história e a Baixada Santista irá receber a 38ª edição do Campeonato Sul-Americano de Clubes em Setembro de 2016. São onze (11) títulos para o Brasil. Confira os números brasileiros na competição:

Cidades que já sediaram:
1976 Local: Fortaleza
1985 Local: Rio de Janeiro
1986 Local: Rio de Janeiro
1988 Local: Blumenau
1990 Local: Videira
1992 Local: Mauá
2015 Local: Miguelópolis

PROGRAMAÇÃO 38º CAMPEONATO SUL-AMERICANO DE CLUBES – SUL :

26/09 – ARENA SANTOS – ABERTURA – SEGUNDA
20h – Festa de abertura
20h30 – Colorado x Club JAVE

27/09 – SESC SANTOS – 1ª RODADA – TERÇA
16h – Sportivo Jose Meza x Magallanes
17h30 – Simon Bolivar x Andes Talleres
19h – Ceará x Los Abstemios

28/09 – SESC SANTOS – 2ª RODADA – QUARTA
16h – Los Abstemios x Andes Talleres
17h30 – Club JAVE x Magallanes
19h – Colorado x Sportivo Jose Meza
20h30 – Ceará x Simon Bolivar

29/09 – SESC SANTOS – 3ª RODADA – QUINTA
16h – Simon Bolivar x Los Abstemios
17h30 – Sportivo Jose Meza x Club JAVE
19h – Colorado x Magallanes
20h30 – Ceará x Andes Talleres

30/09 – SESC SANTOS – SEMIFINAL – SEXTA
16h – 5º x 6º
17h30 – 7º x 8º
19h – 1º grupo A x 2º grupo B
20h30 – 1º grupo B x 2º grupo A

01/10 – FINAL – SÁBADO
10h – Definição 7º e 8º lugar – SESC SANTOS
11h30 – Definição 5º e 6º lugar – SESC SANTOS
18h30 – 3º x 4º (Decisão 3º lugar) – ARENA SANTOS
20h30 – 1º x 2º (Decisão do Título) – ARENA SANTOS14021479_962429167221144_6913159390414171075_n

FUTSAL OLÍMPICO

30/08/2016

VOCÊ SABIA?

Que só existe uma entidade mundial que pode pedir o futsal como ESPORTE olímpico? Sim, é a Associação Mundial de Futsal com as regras do futebol de salão clássico.

O primeiro passo é a AMF ser reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional.

Faça como a CFSB, apoie esta iniciativa!13988037_968821279915266_2275022482016386604_o

RETORNANDO !

25/03/2010

Bom pessoal, voltando as atividades nesse blog . Onde ira encontrar, videos, fotos, calendário das minhas atividade e ainda pode deixar um recado.

Tudo sobre o Universo do Futebol de Salão AMF.

7

 

 

Táticas no Futsal

16/03/2010

Com a formação da equipe, seu aspecto inicial competirá ao técnico e/ou treinador, idealizador de acordo com o material humano de que dispõe a forma tática no futsal que irá atuar em suas partidas, inclusive contando com todas as alterações que poderão ocorrer mesmo durante o transcorrer desta. A esquematização de jogo é fator preponderante em uma equipe, pois sem esta atividade, não se terá uma equipe e sim um grupo de elementos que estarão praticando um esporte sem um objetivo específico.

Como já foi observada, a tática de futsal pode e deve variar normalmente durante o transcorrer da partida, competindo ao profissional responsável às devidas orientações neste sentido, no intuito de não fracassar em seu trabalho, mas, sempre tendo em mente que uma derrota deve ser assimilada pelo grupo como um resultado previsto dentro de uma competição, tendo sempre em mente que o importante será anotar e observar as falhas para que, assim que corrigidas, venham a surtir o efeito desejado em um próximo confronto. Tática de futsal nada mais é do que a teoria (técnica) colocada em prática na quadra de jogo, com todas as suas variações que poderão acontecer conforme o desenvolvido pelo adversário.

Esquema de Jogo – Táticas de futsal

Os esquemas de jogo mais adotado pelas equipes são: 2-2, 1-3, 3-1, 1-2-1. Estes esquemas são os comumente praticados durante o desenvolver de uma partida, sendo que uma equipe varia constantemente tais esquemas, de acordo com as necessidades e principalmente de acordo com o adversário.

Esquema Tático 2-2: é um esquema defensivo, geralmente empregado por equipes iniciantes ou de categorias menores, tendo como principal característica dificultar a dilatação do placar no caso de inferioridade em relação ao adversário.

Ofensivamente apresenta pouca objetividade, pois sua movimentação é restrita.

Em relação ao grupo de atletas, restringe as habilidades, pelo fato de não oferecer uma mobilidade durante o desenvolver da partida, dificultando trabalho com bola, lançamentos. Deve-se ter em mente que em determinados momentos, um esquema como este, o determinado “caixote”, quando bem aplicado, e muito bem treinado, realmente dificulta o adversário a penetração no campo de ação da equipe, restando normalmente a esta, os chutes de média e longa distância, que poderão resultar em algo, de acordo com o tamanho da quadra de jogo.

Esquema tático no futsal 3-1, 1-3, 1-2-1: Estes esquemas são os mais empregados pelas equipes, pois apresentam dupla objetividade: OFENSIVA E DEFENSIVA.

Favorece aos atletas uma maior mobilidade, criatividade e desenvolvimento de suas características técnicas, dando uma movimentação maior no desenrolar da partida. As posições de cada atleta são pré-determinadas durante os treinamentos, onde cada qual, dentro de suas características, desenvolverá o seu trabalho, mas nunca ficando restrito a um posicionamento fixo, cada esquema destes, será aplicado conforme orientação do profissional responsável pela equipe e principalmente de acordo com as características do adversário.

Esquema tático no futsal 3-1: é um esquema mais defensivo, onde a equipe em determinados momentos da partida, utilizará para evitar o crescimento do adversário e conseqüentemente à marcação de gols por parte destes. Oferece, no entanto a possibilidade de um contra ataque, valendo – se de um pivô habilidoso para surpreender o adversário;

Esquema tático no futsal 1-3: é o esquema utilizado com o objetivo de mudar o resultado de uma partida, onde somente a vitória interessa, e neste caso, a equipe valendo-se de um bom fixo, libera os demais, alas e pivô, para sob pressão objetivar a mudança de resultado de acordo com o que importa para a equipe;

Esquema tático de futsal 1-2-1: é o esquema utilizado em uma partida tranqüila, com o desenvolvimento normal das jogadas, que propiciam o desenvolvimento do jogo e principalmente a movimentação dos atletas, variando as jogadas e alternando-se nos posicionamentos com o intuito de envolver o adversário.

Sistema de Marcação no futsal

 

Por Homem a Homem: Na marcação homem a homem ou individual, o defensor marca individualmente o jogador que lhe indicado acompanhando-o por toda a quadra.

Esse sistema pode ser dividido em marcação sob pressão e meia pressão. Neste sistema marca-se o jogador, não a bola. A marcação sob pressão exige que o marcador exerça o combate direto ao oponente em qualquer setor da quadra, procurando evitar que o oponente receba a bola. E entende-se por meia pressão o combate no setor de ataque somente sobre o oponente que recebe ou que está de posse da bola, não sendo necessário o combate sobre o jogador que está sem bola, ficando o responsável por este jogador adversário mais retraído a fim de dar cobertura ao companheiro que efetua o combate direto sobre aquele que está com a bola, além de guarnecer o setor central da quadra. No setor defensivo a marcação é efetuada sob pressão.

Por Zona: O sistema de marcação por zona consiste em atribuir a cada jogador da equipe uma zona definida de defesa com a incumbência de ocupá-la e defendê-la integralmente. Neste sistema marca-se a bola, não o jogador. Na marcação por zona o combate é exercido sobre o jogador contrário mais diretamente quando ele penetra na zona confiada ao defensor, sem que, no entanto, este seja obrigado a acompanhá-lo fora dela. O sistema de marcação por zona é muito vantajoso, pois favorece a cobertura de defesa, tornando a marcação altamente eficaz, além de ser muito propícia aos contra-ataques toda vez que a bola é tomada do adversário.

Posicionamento e Características de jogadores

16/03/2010

Existem cinco funções no Futsal: Goleiro Fixo, Ala Direita, Ala Esquerda e Pivô.

Em estudo observou-se que o fixo e os alas percorrem uma maior metragem que os pivôs durante uma partida de Futsal, sendo os alas os que mais andam na quadra. Neste mesmo estudo evidenciou-se que os pivôs tocam mais na bola que os alas e os fixos. A respeito deste assunto temos poucos trabalhos publicados, por esta razão pretendo escrever algo a respeito.

Função De Goleiro

Talvez seja o jogador mais importante da equipe, deve coordenar a equipe, pois joga de frente para o adversário. Hoje também, o goleiro tem que saber usar os pés como passador e ter bom chute. Lançar com as mãos e reposição rápida com a bola é fundamental para o goleiro. Deve orientar sua equipe o tempo todo, vibrando com a mesma. Deve saber os movimentos táticos, principalmente os de saída de bola e dar cobertura ao sistema defensivo. Atenção é primordial para esta posição.

Características Físicas – o goleiro deve ter: agilidade, flexibilidade, equilíbrio, coordenação, impulsão, velocidade de reação.

Características Técnicas – pegada, habilidade com as mãos, queda e rolamento, reposição e lançamento com as mãos, passe, chute.

Características Táticas – colocação, saída do gol, entrosamento com a defesa, reposição rápida de bola, armação de jogadas com pé e mão.

Características Psicológicas – liderança, coragem, controle emocional, atenção, concentração, tranqüilidade e iniciativa.

Função De Fixo

Geralmente é o atleta encarregado de desarmar as jogadas dos adversários, são atletas de excelente marcação. Hoje também são criadores de jogadas, com bom chute de longa distância. Deve ter grande senso de distribuição de jogo e cobertura. O fixo deve ter bom sincronismo com os alas e com o goleiro na marcação. O pivô adversário é quem marca o fixo, por isto ele deve saber deslocar-se, para sair nas costas do adversário e criar situações de vantagem no ataque. Antecipação é fundamental para ser um bom fixo.

Características Físicas – Os fixos devem ter agilidade, impulsão, força, coordenação e velocidade de reação.

Características Técnicas – antecipação, marcação, chute, passe, cabeceio e deslocamentos.

Características Táticas – colocação, entrosamento com o goleiro, noção de cobertura, domínio da antecipação, saber usar o corpo e noção de ocupação de espaço.

Características Psicológicas – coragem, controle emocional, tranqüilidade, decisão, determinação e iniciativa.
Função Dos Alas

São responsáveis pela armação das jogadas. Devem deslocar-se constantemente, com ou sem bola. È importante ter na equipe sempre um jogador destro e um canhoto em cada ala. Normalmente os alas jogam em posições invertidas (ala direito no lado esquerdo e ala esquerda no lado direito). Os alas devem ser jogadores que utilizam bem os espaços vazios da quadra, com grande percepção das jogadas e precisão nos passes. Devem saber marcar e atacar na mesma proporção, ter excelente controle de bola, dribles e boa finalização é características importantes para os alas.

Características Físicas – Os alas devem ter: agilidade, resistência aeróbia e anaeróbia, coordenação, força e velocidade.

Características Técnicas – drible, passe, deslocamentos, condução, chute e marcação.

Características Táticas – armação das jogadas, coberturas, atacar e defender, boa finalização, criatividade e visão de jogo.

Características Psicológicas – coragem, combatividade, controle emocional, agressividade, determinação e iniciativa.

Função Dos Pivôs

Quase sempre é o jogador que têm maior poder de finalização, também como característica a proteção da bola de costas. È importante para o pivô saber o tempo certo de passar a bola para seus companheiros. Hoje, o pivô tem que se preocupar com a marcação, pois é dele o primeiro combate. Existem pivôs de referência (mais parado na frente) e pivôs de movimentação (deslocam-se pela quadra).

Características Físicas – Os pivôs devem ter agilidade, força, equilíbrio, impulsão e velocidade de reação.

Características Técnicas – controle de bola, cabeceio, drible, finalização, passe, recepção, finta, deslocamento lateral e antecipação.

Características Táticas – colocação, criar espaços, servir os companheiros, primeiro combate, movimentação e conclusão.

Características Psicológicas – decisão, determinação, coragem, personalidade e agressividade.

No Futsal moderno os jogadores ocupam vários lugares na quadra, jogam normalmente sem posição fixa. O importante é que o atleta/aluno desempenhe a função determinada pelo treinador. Para isto devemos treinar nosso atleta/aluno em todas as funções. Todas as funções e posições têm suas características próprias e para isto devemos treina – las especificamente.

Padrões de jogo e sistemas de movimentações

Metodologia de Treinamento do Futsal

16/03/2010

Apesar da modalidade de Futsal ser um esporte coletivo, temos que enfatizar a característica individual. O ensino do futsal deve partir do mais fácil para mais complexos.

Dentro da metodologia de ensino do Futsal, podemos visualizar três métodos básicos de Treinamento: o método parcial, o método global e o método misto.

O método parcial: consiste no ensino do jogo do Futsal por partes, através do desenvolvimento dos fundamentos, habilidades motoras que compõem o jogo por etapas, para ao final da aprendizagem, agrupá-los no todo, ou seja, num único conjunto, que será o próprio jogo de Futsal.

O método global: consiste em desenvolver e proporcionar a aprendizagem do jogo através do próprio jogo. Ensinar alguma habilidade motora apresentando – a desde o inicio, e utilizando-a como forma de aprendizagem. Através deste método, permite a vivência com as mais variadas formas de jogar futsal desde o primeiro contato com o esporte por parte do aprendiz.

O método misto: possibilita a prática de exercícios isolados, bem como a iniciação ao jogo através das formas jogadas de futsal. Que são à base do método global, ou aplica mais a execução isolada dos fundamentos, através de exercícios, que formam o método parcial.

O desenvolvimento Individual através do Futsal

 

O desenvolvimento envolve três dimensões: psicomotor, cognitivo e afetivo-social. Os três estão intimamente interligados e sua divisão é meramente didática.

1- Dimensão Psicomotora – Este domínio envolve a organização do corpo e do movimento do indivíduo no tempo e no espaço. Este domínio está relacionado com os fundamentos técnicos, bem como com as capacidades físicas e coordenativas. A capacidade motora é um dos eixos básicos para o rendimento esportivo, fazendo com que possa estar apto a organizar da melhor forma possível uma composição complexa de qualquer movimento, a fim de permitir as partes do corpo envolvidas trabalharem coordenadamente. Os jogos na iniciação são importantes na medida em que propiciam o desenvolvimento das capacidades físicas e coordenativas, alem da aprendizagem e do aperfeiçoamento dos fundamentos técnicos específicos da modalidade esportiva, contribuindo para melhoria do domínio psicomotor.

2- Dimensão Cognitiva – Esta dimensão envolve todos os processos cognitivos ou do pensamento. Nesta dimensão é muito importante a capacidade de perceber e antecipar estímulos, a fim de gerar uma tomada de decisão. Nesta dimensão, que têm relação direta com o intelecto e raciocínio, devem ser considerados alguns componentes, como: percepção, antecipação, tomada de decisão, memória motora, imaginação do movimento e capacidade de reação. Os jogos são atividades estimulantes para o desenvolvimento dos processos cognitivos. O domínio cognitivo tem uma relação direta com a capacidade de se apropriar do conhecimento e noções do jogo que lhe permite realizá-lo de forma própria e eficiente.

3- Dimensão Afetivo-Social – Este domínio diz respeito ao agir, interagir e reagir com outras pessoas, envolvendo sentimentos. Como o homem é um ser social, que vive em comunidade, ele tem que se relacionar com outras pessoas. No ato de relacionar-se com o outro, surgem inúmeras situações de conflitos, que são importantes na medida em que se possibilite tentar resolvê-las, desenvolvendo em si competências comunicativas e sociais. A auto-estima é importante, pois, além de favorecer a aprendizagem, fazendo com que tenha a capacidade de desempenhar com coragem, segurança uma determinada tarefa, contribui para que ele se sinta bem socialmente. Neste sentido os jogos colocam-se a frente de desafios sociais a serem vencidos, pois ele tem que resolver problemas que o jogo lhe apresenta de forma coletiva e individual, discutindo, estabelecendo regras e agindo de comum acordo com os colegas da equipe.

As capacidades a serem trabalhadas no futsal

Capacidades Coordenativas – Técnicas

A capacidade coordenativa diz respeito à técnica (passe, chute, drible, deslocamento e outros). Os jogos aumentam a participação do jogador, em função da proximidade da jogada, contribuindo para o desenvolvimento técnico-tático.

Na medida em que aumenta a participação do jogador, conseqüentemente acontece uma evolução técnica. Quanto mais toca na bola, aumenta o índice de tomadas de decisão, com isso aumenta o número de erros, e obriga a buscar novas soluções e métodos para minimizar os erros. Paralelamente a evolução técnica, desenvolve-se o raciocínio e a autonomia.

Capacidades Táticas

As movimentações executadas com e sem bola e as capacidades coordenativas determinam o desempenho.  Não basta uma capacidade tática individual, mas também uma capacidade coletiva. Os jogos contribuem no desenvolvimento tático, pois o mesmo tem uma participação constante nas situações que ocorrem durante o jogo. Os jogos exercitam as situações que acontecem durante as partidas varias vezes. Os jogos são um processo de ensino – aprendizagens, com isto, contribuem para formação tática do aluno.

Capacidades Condicionais (Físicas)

As capacidades condicionais (Físicas) influenciam diretamente na performance do atleta e são interdependentes durante o jogo. Os jogos além de influenciarem nos aspectos técnicos e táticos estão interligados as capacidades físicas (força, velocidade, resistência e outras). A aplicação do jogo influencia na resistência anaeróbica dos jogadores, fator determinante nos jogos de futsal.

Os jogos por serem de grande intensidade e movimentação estimulam várias valências físicas necessárias para o jogador de futsal, contribuindo com o trabalho físico do preparador, tomando cuidado para não sobrecarregar o jogador.

Capacidades das Habilidades Perceptivas – Motoras.

O processo perceptivo nos permite a relação da consciência corporal e o meio ambiente externo e interno (nosso corpo), permitem o reconhecimento da interação do seu corpo com o adversário, colegas e a bola.
Capacidades Psicológicas

A motivação é um dos fatores que influenciam no processo de ensino – aprendizagem. A competição é instrumento imprescindível na motivação do atleta, e os jogos encaixam-se perfeitamente neste aspecto motivacional.

Os ambientes competitivos e o prazer de jogar estimulam o processo de ensino – aprendizagem.
Os jogadores devem conviver num ambiente saudável, desafiador e competitivo e sentir-se parte integrante e importante do contexto.

Fundamentos e Definições

16/03/2010

Domínio no Futsal: é a habilidade de recepcionar a bola com as diversas partes do corpo.

Controle no futsal: Controlar a bola é diferente de dominá-la. Controle refere-se a mantê-la no ar, com toques de uma e de outras tantas partes do corpo, sem deixá-la cair ao chão.

Condução no futsal: A condução é quando se leva a bola pela quadra de jogo. Uma regra básica: a bola deve estar próxima do condutor. Essa condução pode ser feita em linha reta, daí o nome de retilínea. Também em ziguezague, e, portanto, sinuosamente. As outras faces para se conduzir são internas e externas.

Chute no futsal: O chute surge quando a bola vai em direção à meta adversária ou para afastar o perigo de um ataque adversário. O primeiro seria o chute com o objetivo ofensivo. O segundo, com o objetivo defensivo.
Logo, chute sempre é a mesma coisa, o que muda é o objetivo.
Quais seriam as possíveis trajetórias de chute? Rasteira, meia-altura e alta.
Quais seriam os tipos, as maneiras de chutar? Com o dorso ou de peito de pé, de bate – pronto ou semi-voleio, de voleio ou sem-pulo, de bico e por cobertura.

Cabeceio no futsal: O cabeceio pode ser ofensivo e defensivo. Quem cabeceia o faz para marcar um gol, para defender a sua equipe ou para passar a bola para um companheiro de equipe A exemplo do chute e do passe, o cabeceio pode ter diferentes trajetórias, isto é, pode ser em linha reta, para o alto ou em direção ao chão. O local onde se toca na bola determinará as diferentes trajetórias. Cabeceou-se no meio da bola, ela sai em linha reta. Cabeceou-se embaixo da bola, ela vai para o alto. Cabeceou-se em cima, ela desce.

Passe no futsal: O passe só acontece quando há duas pessoas. Passa-se quando um alguém envia abola para outro alguém. Em geral passa-se a bola com os pés, mas também pode sair um passe com a cabeça, com o peito, a coxa, o ombro.

O passe é classificado quanto à distância, à trajetória (altura), à execução (parte do corpo), ao espaço de jogo (quadra) e à habilidade.

– Distância: Curto – até 4 metros; Médio – 4 a 10 metros; Longo – acima de 10 metros.

– Trajetória: Rasteiro, meia altura, parabólico.
– Execução: Interna, externa, anterior (bico), solado, dorso.
– Espaço de Jogo: Lateral, diagonal, paralelo.
– Passes de Habilidade: Coxa, peito, cabeça, calcanhar, ombro, parabólico ou cavado.

Drible no futsal: O drible é feito com posse de bola. Quem dribla, procura, com bola, passar por um adversário. Esse “passar pelo adversário” exigirá, algumas vezes, velocidade, outras apenas mudança de direção, outras, criatividade, ginga e outras ainda, todas estas coisas simultaneamente. Entretanto, uma coisa é certa: o que dificulta a habilidade de marcar é a perda do equilíbrio. Logo, o drible eficaz é aquele que provoca no outro o desequilíbrio.

Finta no futsal: Finta, ao contrário do drible, é realizada sem bola. Ainda que quem finta esteja sem bola, o faz com o objetivo de obtê-la. A fintar tem o objetivo de levar a enganar o seu adversário para receber a bola. Outros nomes, dependendo da região do país, são sinônimos de finta: desmarcação, balanço, gato, vai e vem, pique falso.

Marcação no futsal: Quem marca tem o objetivo de desarmar quem tem a bola, tomando-lhe a mesma ou tirando-a; também objetiva impedir que o adversário receba a bola.
Explicação da técnica de marcação em dois momentos:

– quando o adversário está com a bola.
– quando o adversário não está com a bola.
No primeiro caso. A obrigação de quem marca é fazer todo o possível para não ser driblado e ainda evitar que o adversário chute contra a sua meta. Com o tempo, e isso já não é mais básico, outras coisas: marcar o pé de passe e chute, fechando o lado forte de saída e ação do adversário; empurrar o adversário contra a linha lateral da quadra, diminuindo o ângulo de passe e chute.

Antecipação no futsal: Antecipam-se quando se toma à frente do adversário. Classificada a antecipação em ofensiva e defensiva, quanto aos objetivos, podem ser mesmo distintos: para roubar a bola e iniciar um ataque com uma condução, um passe ou chute; para desarmar, chutando a bola para fora ou sem direção definida; para recepcionar a bola, neste caso, um atacante antecipa o defensor. Em todos os casos, quem antecipa dá à equipe uma vantagem.

Proteção de Bola no futsal: Proteger significa manter a posse de bola quando marcado diretamente por um adversário. Porém, não se trata de drible. Técnica para proteger a bola: quem protege deve antecipar o lado que o oponente quer entrar a fim de realizar o desarme. A oposição deve ser feita com o tronco e o braço.

História do Futsal

11/03/2010

O exemplo de vários outros esportes tentar entender a origem do futebol de salão é um caminho muito difícil, devido aos escassos documentos que nos possam esclarecer. A origem do futebol de salão. Tudo isso faz com que haja uma grande polêmica entre os estudiosos sobre a origem do futebol de salão.
Podemos relatar que existem duas as versões para a origem do Futebol de Salão, ambas envolvendo a Associação Cristã de Moços.
Em uma delas, o esporte começou a ser praticado por volta de 1940, por jovens freqüentadores da Associação Cristã de Moços (ACM) de São Paulo que, para compensar a falta de campos de futebol, improvisavam “peladas” (futebol de fins de semana) nas quadras de basquete e hóquei, aproveitando as traves usadas na prática desse último esporte.
Na segunda versão, o futebol de salão teria sido inventado em 1932, pelo professor Juan Carlos Ceriani Gravier, da ACM de Montevidéu (Uruguai), dando-lhe o nome de indoor football.
O Futebol de Salão começou então a expandir-se por toda a América do Sul, e posteriormente, Europa e resto do Mundo.
Com sede na cidade de São Paulo, Brasil,Surgiu a primeira FEDERAÇÃO INTERNACIONAL DE FUTEBOL DE SALÃO á FIFUSA que foi fundada em 25 de julho de 1971. Além do Brasil, participaram de sua fundação Argentina, Bolívia, Paraguai, Peru, Portugal e Uruguai.Apesar de ter o brasileiro João Havelange como primeiro presidente do conselho executivo, a FIFUSA foi dirigida, desde sua criação, pelo seu secretário-geral Luiz Gonzaga de Oliveira Fernandes.O então Presidente João Havelange não dispunha de tempo para se dedicar à FIFUSA porque estava empenhado em conquistar a presidência da Federação Internacional de Futebol (FIFA) – ele foi eleito em junho de 1974. Naquela época, a FIFA não demonstrava ainda interesse pelo futebol de salão.
Em 1980, Januário D’Aléssio Neto,tornou-se presidente da FIFUSA.O esporte atingiu grande expansão no cenário internacional, com a constituição de competições importantes para a modalidade. A primeira delas foi o I Pan Americano de Futebol de Salão, disputado no México.
Em 1982, foi realizado no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo, o I Campeonato Mundial de Futebol de Salão. O sucesso da competição incomodou a FIFA, que a partir de então passou a lutar pela apropriação desse esporte. A entidade começou a criar muitas dificuldades para todas as competições patrocinadas pela FIFUSA e ameaçou criar um mundial para o futebol de cinco – uma versão do futebol de salão com alterações nas suas regras, praticado principalmente na Europa. A FIFA reservou-se ao direito de proibir a utilização da palavra futebol por outras entidades que nao ela propria. A FIFUSA tentou resistir às investidas da FIFA e – às vésperas da disputa do seu II Campeonato Mundial de Futebol de Salão (Espanha, 1985), a entidade resolveu designar um novo termo para a modalidade: fut-sal. Posteriormente, acabou sendo adotada pela própria FIFA.
Frente as dificuldades da FIFUSA, a Confederação Brasileira de Futebol de Salão iniciou negociações com João Havelange, então presidente da FIFA, para que a entidade assumisse internacionalmente a administração do esporte.A FIFUSA organizou na Austrália seu terceiro e último Campeonato Mundial de Futebol de Salão. Após o término da competição, a FIFA procurou a FIFUSA, em uma nova investida para incorporar o futebol de salão, mas o acordo foi rejeitado.
Em janeiro de 1989, a FIFA resolveu promover o seu primeiro Campeonato Mundial de Futebol Cinco, realizado na Holanda. Após o seu término, a Confederação Brasileira de Futebol de Salão principal federação nacional do esporte – desfiliou-se da FIFUSA para se integrar a FIFA, o que fortaleceu a entidade presidida até então pelo brasileiro João Havelange . Naquele ano, a FIFA criou sua Comissão de Futsal, especialmente para supervisionar o futebol de salão.
A investida definitiva da FIFA no futebol de salão enfraqueceu a FIFUSA. Seus dirigentes divergiram quanto ao seu futuro. A entidade terminou extinta no final de 1989 e início de 1990.
Lideradas pelo Paraguai – campeão do último mundial organizado pela FIFUSA e principal rival no esporte do Brasil -, algumas federações sul-americanas uniram-se com outras antigas filiadas FIFUSA para criar, 1990, na cidade de Bogotá, a Confederação Pan-americana de Futsal (PANAFUTSAL). Os países-membros da nova entidade foram: Argentina, Bolívia, Colombia, Costa Rica, México, Paraguai, Porto Rico, Uruguai e Venezuela. Mais tarde, Antilhas Holandesas, Aruba, Canadá e Equador.
A PANAFUTSAL manteve-se como uma entidade independente da FIFA e organizou campeonatos de futebol de salão onde permaneceu sendo praticado em muitos países – inclusive no Brasil, com praticamente as mesmas regras de quando o esporte surgiu como o arremesso lateral e de canto feito com as mãos.
Em 2000, a PANAFUTSAL e a FIFA aproximam-se em busca de uma futura fusão. As duas entidades chegaram a firmar, em um congresso realizado durante o Campeonato Mundial daquele ano, uma carta de intenções, mas não houve um compromisso mais concreto. Ainda no mesmo ano, o Comitê Olímpico Internacional reconheceu oficialmente a FIFA como única entidade para promover campeonatos de futsal.
Com os fracassos na negociações com a FIFA, a PANAFUTSAL decidiu dar ao organismo um caráter mundial, como uma forma de manter o futebol de salão nos moldes de sua criação – em oposição à versão da FIFA, cheia de alterações.
Juntamente com federações nacionais de outros continentes, os países-membros da PANAFUTSAL fundaram a AMF em dezembro de 2002, em Assunção.
A Associação Mundial de Futsal é uma das duas organizações mundiais que regulam a prática do futsal ou futebol de salão. Ela nasceu em 2002 e tem sua sede em Asunción, Paraguai.
A partir de 2002, a AMF passou a organizar suas próprias competições. A principal delas é o seu Mundial de Seleções. A primeira edição foi disputada no Paraguai em 2003 e a segunda na Argentina em 2007 – e ambas tiveram como campeão a Seleção Paraguaia.
A rigor, existem duas modalidades do esporte, sendo uma delas a mais antiga, estabelecida quando a Federação Internacional de Futebol de Salão (FIFUSA) regulamentava a prática do esporte e por isso conhecida como futebol de salão-FIFUSA e a outra, estabelecida sob a regulamentação da FIFA, conhecida como futsal (embora esse termo atualmente denomine indistintamente a prática do esporte nas duas versões). As diferenças limitam-se a algumas poucas regras, mas que acabam influenciando sensivelmente a dinâmica e a plástica do jogo.
Nesse contexto, a CBFS, que representava o Futebol de Salão no Brasil também aderindo à FIFA, abriu espaço para que os não favoráveis a essa migração fundassem a CNFS. A CNFS foi criada após o desligamento da FIFUSA por parte da Confederação Brasileira de Futebol de Salão em 1989, quando esta decidiu afiliar-se à FIFA.
O futsal, em sua forma mais difundida hoje é administrado no Brasil pela Confedração Brasileira de Futebol de Salão e mundialmente pela FIFA. O futebol de salão-FIFUSA, por sua vez, tem como federação nacional a Confederação Nacional de Futebol de Salão e é organizado mundialmente pela Associação Mundial de Futsal (AMF), cuja sede situa-se no Paraguai.
A respeito das divergências históricas, Futebol de salão e o Futsal são essencialmente o mesmo esporte, especialmente quando se leva em conta que as diferenças, nem sempre tão evidentes a primeira vista, acabam sendo ainda mais embaralhadas pelo emaranhado processo histórico que envolveu o cisma no esporte e pela prática comum nos círculos do esporte.
Devido às proporções da área de jogo, o menor número de jogadores e a facilidade em que se pode jogar uma partida, o futsal já é considerado por muitos como o esporte mais praticado no Mundo.
Logo Seleção Brasileira

Feliz 2010, em busca dos 3 pontos!

31/12/2009

Mais um ano vai se iniciar, mais um campeonato a vida está nos proporcionando. Que possamos ser vitoriosos em cada jogo de cada dia, se perdemos um ou dois não haverá problema pois o importante é no final da temporada em Dezembro de 2010 possamos comemorar por um ano maravilhoso como o de 2009.

Felicidades a todos e grandes vitórias, que em 2010 tenhamos mais jogos vitoriosos no dia a dia de um campeonato de 365 dias.

Abraços a todos,
Professor Celso Marques